Casa do Risco

Certificação

Certificação

Processo de certificação. virtualidades e limites

O significado de um processo de certificação para uma produção como bordado não é claro para um grande número de pessoas. Na realidade trata-se aqui de transpor para produções artesanais conceitos já utilizados, com merecido sucesso, para produtos agroalimentares.

A demarcação, nos finais do século XVIII, da Área Demarcada do Douro, tornou claro, desde então, a íntima relação entre um território e as propriedades e características dos produtos que aí se cultivam, que, sendo clara nas produções agroalimentares, também existe noutras produções em que os saberes tradicionais e a especificidade de que se revestem os seus resultados num determinado local implicam a definição de uma dada imagem a qual, a partir de aí, identifica o próprio local. É esta marca identitária que o conceito de certificação de um dado bordado pretende traduzir e salvaguardar.

É que, embora seja a realidade da produção do Bordado da Terra de Sousa, tal acontece no contexto mais restrito do processo de certificação, para este bordado. Assim o estudo das suas características só contemplou aquele bordado passível de certificação, aquele bordado que se defina de um tal modo que o torne inconfundível perante outros, pois só o facto de ser único e singular o tornou objeto de certificação.

Significa isto que alguma produção de bordado desta área, que não apresenta quaisquer especificidades que a possa singularizar (tais como pontos ou associações de pontos de bordar, materiais, cores, motivos), situação que, se compreensível, incómoda, pois o mesmo é dizer, que algum do melhor trabalho que se faz na Terra de Sousa não seja catalogado como Bordado da Terra de Sousa.

Os casos mais notórios dizem respeito ao trabalho que é feito com recurso ao ponto de cruz e ao ponto de Assis. Nalguns casos (não todos, infelizmente) tal injustiça dói particularmente pois as oficinas mais envolvidas na sua produção atingem uma extrema qualidade. Infelizmente, trata-se de bordado que não é passível de certificar pois, ainda por cima com a voga que atualmente conhece o ponto cruz, que é feito por todo o lado, torna-se ainda mais difícil evidenciar a específica ligação deste tipo de bordado a um determinado território. Por maioria de razões, torna-se impossível certificar um trabalho feito. Em Portugal, com recurso a um ponto que até tem o nome da sua cidade de origem: Assis, na Itália.

O desafio consiste agora em manter a contínua reinvenção característica deste bordado.
Podemos escolher uma ou outra característica que permita a um utilizador menos informado identificar o bordado, pelo sublinhar de expressões plásticas (como a variedade de crivos e dos pontos utilizados nos fundos, o uso de nozinhos e do sombreado, a presença dos canutilhos e das bainhas abertas sem esquecer os fabulosos pontos reais) ou pelo uso de um ou outro motivo muito próprio desta área, estar-se-á reforçar quer a qualidade, quer a definição da imagem de um bordado há demasiado tempo desconhecido.

Num mundo globalizado, em que tudo é igual em toda a parte, cada dia que passa, a diferença traduz a profunda necessidade de identidade e de ligação a territórios de afeto.

O Instituto Nacional da propriedade Industrial, proferiu no dia 2011/09/06 o despacho de concessão do processo de registo de DEN. DE ORIGEM / IND. GEOGRÁFICA Nº 185 BORDADO TERRA DE SOUSA, tendo sido publicado no Boletim da Propriedade Industrial em 2011/09/09.

 

Boletim Municipal #11 2017
Cm Felgueiras 2018 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por