Município

Contactos

Aião


Área
 
277,87 ha - Fonte: CAOP
População 856 habitantes - 415 Homens e 441 Mulheres
Densidade 3,27 hab/ha

História
Situada no sopé da crista montanhosa de Santa Marinha, Aião é uma das freguesias mais tradicionalmente rurais e mais afastadas da sede do concelho, o que fez com que tivesse já pertencido aos antigos concelhos de Santa Cruz de Riba-Tâmega e de Unhão. Foi povoado pré-romano, assente no planalto do Crastelo, junto a Pedra Falar, e deve o seu nome aos suevos, visto o seu topónimo de origem germânica sob a forma de Agilio (Agilion, divergente do antropónimo Agila) que deu Aion, em 141, e AIAM, EM 1220. Em Brolhães teve mesmo honras de Couto, instituído em 1257 por D. Afonso III e dado em mercê a Gil Martins. No lugar do Paço, um dos mais típicos da freguesia esteve hospedado D. Afonso Henriques (...)
(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.50,51,52)

Locais de Interesse
São inúmeras as casas senhoriais, imponentes e bem conservadas desde a Casa de Vila Chã, a Casa do Outeiro, a Casa de Montessô, a Casa de Aião, a Casa de Brolhães e a Casa de Milhões.
A Freguesia de Aião está localizada num bonito vale próximo do Monte de Santa Marinha, no extremo Sul do Concelho, com vista panorâmica sobre quase todo o Concelho de Felgueiras.

Tradições
Gastronomia - Pão de milho, rojões à lavrador e vinho verde
Artesanato - Bordados
Festas e Romarias - S. João em Junho

Nº de eleitores 666

Presidente  José Manuel Fernandes Pinto (Partido Socialista- PS)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Aião
Rua de S. João, nº 888
4650 - 026 Aião

Telf./Fax.: 255 488 781
Tlm: 914 361 164
Email: junta.aiao@gmail.com
Site: www.aiao.pt

Horário de Atendimento
Segunda, quarta e sexta-feira das 18h30 ás 20h

Airães


Área
401,06 ha
População 2486 habitantes - 1170 Homens e 1316 Mulheres
Densidade 6,55 hab/ha - Fonte: INE 2001

História
A origem histórica desta freguesia prende-se com o bispo de Dume, D. Arias Nunes (948-982), sucessor de S. Rosendo e neto do conde Arias Mendes (914-942), filho do conde portucalense D. Hermenegildo Guterres (869-911), o qual lhe teria dado o nome, visto AIRÃES ser topónimo proveniente de ARIANS (...)
(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.53-54)

Locais de Interesse
Igreja Santa Maria de Airães
Pelourinho de Airães
Portão Casa de Anciães
Capela de Santo Amaro
Solar Quinta do Paço
Casa do Telhado

Tradições
Gastronomia - Cabrito e vitela assados no forno
Artesanato - Bordados
Festas e Romarias
Festa Santo Amaro (15 de Janeiro)
Festa de Santa Maria de Airães (15 de Agosto)

Nº de eleitores 2391

Presidente  Vitor Sebastião Sá Pereira de Vasconcelos (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Airães
Rua de Santa Maria, n.º 2097 
4650-084 Airães

Telf./Fax.: 255 488 771
Tlm.: 914 377 017
Email.: juntafreguesia.airaes@gmail.com
Web: www.facebook.com/juntafreguesiaairaes

Horário de Atendimento
Segunda a Sexta-feira das 09H00 às 12H00 e das 14H00 às 18H00
Quartas-feiras das 20H30 às 22H00
Sábados das 9H00 às 12H00

Friande

 

Área 328,7 ha - Fonte: CAOP 
População 1838 habitantes  - 912 Homens e 926 Mulheres
Densidade 5,06 hab/ha

História
A Freguesia de Friande, inicialmente constituída por uma pequena unidade agrária e explorada por um colono de nome Feriande, data de 1176. Ano em que a capela de Santo André foi doada ao Mosteiro de Pombeiro por João Pais, para obter protecção do Conde D. Mendo Viegas de Sousa, padroeiro de Pombeiro e conselheiro de D. Afonso Henriques(...)(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.64)

Locais de Interesse
Igreja Matriz de Friande
Capela Stº André

Tradições
Festas e Romarias
Festa de São Tomé a 5 de Julho
Festa de Santo André a 30 de Novembro.

Nº de eleitores 1435

Presidente  João de Sousa Teixeira (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Friande
Rua de São Tomé 
4610-312 Friande-FLG

Telf./Fax.: 255 313 011
Tlm.: 939 212 551
Email: jffriande@sapo.pt

Horário de Atendimento

Idães


Área 
711,15 ha - Fonte: CAOP
População 2.496 habitantes - 1198 Homens e 1298 Mulheres
Densidade 3,52 hab/ha

História
Historicamente, a freguesia de Idães foi das primeiras e principais do padroado de Pombeiro, isto porque nela existiu uma importante fortificação castreja, conhecida por IDA ou IBDIA, pertença do conde D. Trutesendo (Moniz ou Nunes), falecido em 1027, no cerco de Viseu, cujos domínios deixou ao fundador do Mosteiro de Pombeiro, por ser seu parente, como consta do documento da sua fundação, datado de 1059 (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 65)

Locais de Interesse
Santuário do Bom Jesus de Barrosas
Monte de Santa Ana
Casa do Cicho de Idães

Tradições
Gastronomia: cozido, bacalhau, pão de ló
Festas e Romarias
Espírito Santo em Barrosas (24 a 27 de Maio)
Festa de Santa Maria de Idães (15 de Agosto)

Nº de eleitores 2322

Presidente  Palmira de Fátima Matos Faria (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Idães
Largo do Bom Jesus, n.º32
4650-124 Idães-FLG

Telf.: 255 330 920
Fax.: 255 330 922
Tlm.: 969 891 668
Email jf.idaes@gmail.com

Horário de Atendimento

Jugueiros


Área
 
744,88 ha - Fonte: CAOP
População 1.303 habitantes - 649 Homens e 654 Mulheres
Densidade 2,06 hab/ha

História
Segundo a carta de couto de 1112, a freguesia de Jugueiros foi filial do Mosteiro de Pombeiro, tendo sido doada em 1284 por D. Gonçalo Nunes de Bragança. Situa-se nas vertentes a Norte do Monte de santa Quitéria e é banhada pelo rio ferro, afluente do Vizela (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 67-68)

Locais de Interesse
Igreja Matriz de Jugueiros
Capela Nª Srª da Paz

Tradições
Festas e Romarias
Festa de S. Pedro (29 de Junho)
Festa de S. Agueda (último Domingo de Agosto)

Nº de eleitores 1170

Presidente  Manuel Armandino Leite de Castro (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Jugueiros
Travessa da Escola Picoto Trazões
4610-368 Jugueiros

Telf./Fax: 255 346 484 
Tlm: 967 813 377
Email: juntajugueiros@sapo.pt

Horário de Atendimento

Penacova


Área 
299,92 ha - Fonte: CAOP
População 1.130 habitantes - 564 Homens e 566 Mulheres 
Densidade 3,78 hab/ha

História
Com registo desde o ano 959, a freguesia de Penacova foi habitada por pastores afeiçoados à terra e à sua comunidade de homens livres, pelos casais de Penacova e de Froiães, e do mosteiro de Guimarães, 2º documento de 1028, dizendo que ele e seus herdeiros eram "encomunhados" de Mumadona (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 82, 83)

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Cruzeiro

Tradições
Gastronomia: Cozido à Portuguesa, cabrito assado, bacalhau.
Festas e Romarias
Festa do Sr. dos Perdidos - 1º Domingo de Agosto
S. Martinho - 11 de Novembro

Nº de eleitores 954

Presidente  José da Costa Ferreira (Partido Socialista-PS)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Penacova
Rua de S. Martinho, 1292
4610-523 Penacova-FLG

Telf.: 255 312 525
Fax.: 255 312 241
Tlm: 963 721 307
Email: freguesiapenacova@sapo.pt

Horário de Atendimento
quartas e sextas-feiras das 20H30 às 22H00

Pinheiro


Área 
357,45 ha - Fonte: CAOP
População 1.042 habitantes - 522 Homens e 520 Mulheres
Densidade 2,78 hab/ha

História
Em 1161 a freguesia de Pinheiro foi doada ao Mosteiro de Caramos, fazendo parte do seu padroado, pelo P. Martim Egas. Nas actas das Inquirições de D. Afonso III, pertencia a Martim Anes Coronel, Mordomo de Celorico de Basto, e ao mosteiro de Caramos (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 83,84)
A freguesia situa-se no extremo Nordeste do território felgueirense, a confinar com o Concelho de Fafe e, tem ainda confrontações com as freguesias de Macieira, Caramos, Friande e Sendim.
Os primórdios de Pinheiro estão ligados ao Padroado de Caramos, uma vez que, em 1161, foi doado aquele mosteiro. Refira-se que a localidade chamava-se Pignario e, até à data antes referida, não se conhece qualquer referência histórica. O monte de Nossa Senhora da Aparecida é um "ex-libris" de Pinheiro. Tem uma área de 3,3 Km2 e uma população residente de 995 habitantes.
É uma freguesia que nos remete para o povoamento pré-histórico e para a existência de "villas". É uma freguesia de grande devoção a nossa Senhora de Aparecida:
"A Senhora Aparecida
Diz que há-de dar o véu!
Só mo há-de dar em vida,
Dê-mo nos reinos do céu.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Capela Nossa Senhora da Aparecida
Cruzeiro

Tradições
Festas e Romarias
Festa à Senhora Aparecida-15 de Agosto

Nº de eleitores 932

Presidente Manuel Fernandes Pinto (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Pinheiro
Rua da Junta de freguesia, nº 184
4610-573 Pinheiro-FLG

Telefone: 255 314 996
Telemóvel: 967 255 226
Email: junta@jf-pinheiro.pt

Horário de Atendimento
segunda, quarta e sexta-feira das 18H30 às 20H00

Pombeiro de Ribavizela


Área 
480,91 ha - Fonte: CAOP
População 2.218 habitantes - 1079 Homens e 1139 Mulheres
Densidade 4,45 hab/ha - Fonte: INE 2001

História
Com a configuração geográfica de um vasto circo romano, cavado entre o Monte Columbino (Santa Quitéria) e a citânia de Penacova, Pombeiro, então conhecido por "Vale Palumbarii", tinha pertencido ao conde D. Gonçalo Trastamires, que o deixou à sua filha D. Aragunda Gonçalves, mãe do fundador do mosteiro beneditino de Pombeiro (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 84-86
Entre as freguesias do concelho, Pombeiro, é das mais prendadas em termos históricos e de interesse cultural. Em 1059 foi fundado o seu mosteiro, cuja influência foi tal que já não é possível dissociar-se a história da freguesia da do Mosteiro de Pombeiro. Pombeiro e o seu Mosteiro, monumento nacional desde 1910, têm sido ao longo dos anos estudado pelos mais diversos historiadores.
A freguesia nasceu à volta do seu Mosteiro. Situado no caminho de Amarante e Guimarães, Pombeiro, com a sua hospedaria desempenhou bem esta função de acolhimento a peregrinos na tradição medieval das estradas de Santiago.
O Associativismo local está representado pelo Rancho Folclórico de Santa Maria de Pombeiro.

Pontos de interesse
O Mosteiro de Pombeiro é uma obra monumental da arte românica portuguesa, tendo a Norte a Igreja. Merece destaque a Casa das Portas, solar barroco, pertencente à família Vilas-Boas, do escritor de Felgueiras Manuel de Faria e Sousa, a Capela e o átrio recheado de figuras. O Solar de Valmelhorado é uma moradia construído em inícios do séc. XVIII, num planalto sobranceiro ao Mosteiro de Pombeiro, a Poente da freguesia, donde domina toda a paisagem em redor.

Locais de Interesse
Mosteiro de Pombeiro
Solar da Quinta do Paço
Via Romana junto ao Mosteiro de Pombeiro
Cruzeiro

Tradições
Festas e Romarias
A Festa de São Brás-1º Domingo de Fevereiro
Festa de São Bartolomeu-24 de Agosto

Nº de eleitores 2014

Presidente  Vitor Manuel de Sousa Felix (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Pombeiro de Ribavizela
Rua Dr. José de Barros Rocha Carneiro, s/n
4610-642 Pmbeiro de Ribavizela

Telf./Fax.: 255 314 998
Tm.: 924 146 130
Email: jfpombeiro@sapo.pt

Horário de Atendimento
segunda, terça, quarta e sexta-feira das 10h00 às 16h00
terça-feira das 20H30 às 21H30
quinta-feira das 13H30 às 19H30

Refontoura


Área 
343,94 ha - Fonte: CAOP
População 2.081 habitantes - 1038 Homens e 1043 Mulheres
Densidade 5,74 hab/ha - Fonte: INE 2001

História
Historicamente, a freguesia da Refontoura só se documenta a partir de 1220, não obstante o seu lugar de Zebros ser já mencionado a partir de 1144, num documento do Mosteiro de Santo Tirso(...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 90-91
A Refontoura é uma freguesia com grande valor patrimonial. Surge documentada pela primeira vez em 1220. Existe também um Dolmen descoberto no lugar chamado de Cividade, que o povo chama Monte do Côto. A Igreja Paroquial de Refontoura ostenta um belíssimo tecto com a pintura do orago São Cipriano com cercaduras ao estilo barroco. No século XIII o seu topónimo era "Refonteira", ou "Refronteira", correspondendo a uma terra ou julgado do Concelho de Felgueiras. Os habitantes chamam-se os Sardões, nome que parece ter sido devido do facto de haver um sardão esculpido na escadaria da Casa da Torre. Tem o sardão de um lado, e o ovo do outro. Com uma população residente de 1974 habitantes, Refontoura tem uma área de 3,4 Km2.
Património arqueológico – Via Romana de Amial – Souto – Troço de estrada lajeada, com cerca de 350 metros de comprimento, de provável cronologia Romana que, vindo de Guimarães e entrando no actual concelho de Felgueiras pela ponte do Arco na freguesia de Vila Fria subia à Rua, vinha a Pombeiro, Picôto, Padroso, Forca, Várzea, atravessava o rio Sousa no lugar do Ameal, vinha ao Souto, Pereira, Estrada, daí a Mouta, Espiúca e depois a Lixa, onde passava no sopé do Castro do Ladário, dirigindo-se para Amarante. A sua mais provável utilização na época Medieval é atestada por uma série de marcos em granito com epígrafes, que a ladeiam, provavelmente marcos de limitação de propriedades e do couto do convento de Caramos.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Capela S. Roque

Tradições
Gastronomia
Cozido à Portuguesa
Cabrito assado e arroz de forno
Festas e Romarias
Festa de S. Roque - 15 de Agosto

Nº de eleitores 1819

Presidente José Alberto Machado Alves (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia da Refontoura
Rua da Liberdade, n.º 3866
4610-670 Refontoura

Telefone: 255 336 370
Telemóvel: 966 508 044
Email: jfrefontoura@sapo.pt

Horário de Atendimento
segunda-feira das 21h00 às 22h00
quarta-feira das 20H30 às 22H00

sábado das 10H00 às 12H00
1º domingo de cada mês das 10H00 às 12H00

Regilde



Área
308,17 ha - Fonte: CAOP
População 1.284 habitantes - 612 Homens e 672 Mulheres
Densidade3,78 hab/ha

História
As atas das Inquirições de 1258 e de 1290, bem como a doação de bens de raiz, feita em 1265 por Pedro Anes à sua mulher D. Urraca Afonso, filha bastarda de D. Afonso III, informam que o padroado desta feguesia pertencia aos descendentes de Pêro Fromarigues(...)
(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 92-93)
Chamou-se, inicialmente, Cristelo de Miro, depois Miros e Santa Comba e, por fim, Santa Comba de Regilde. O seu topónimo deve provir de colonos (Regildo ou Recilio) que aqui se fixaram após a Reconquista Cristã. Em 1839 a freguesia pertencia ao concelho de Guimarães, em 1852 ao de Barrosas e no ano seguinte passou para Felgueiras. Da Igreja Paroquial, singela e pequena, destaca-se a fachada, organizada com notável equilíbrio e no seu interior as imagens dos séculos XVII e XVI/, assim como uma cruz processional de 1899, de prata de grandes dimensões. Tem uma área de 2,8 Km2 e uma população residente de 1164 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Cruzeiro

Tradições
Festas e Romarias
Festa de St.ª Comba (23–24 de Julho)

Nº de eleitores 1123

Presidente José Fernando de Sousa Dias (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Regilde
Lugar da Igreja
4815-621 Regilde

Telefone: 253 483 262/ 253 585 359
Fax: 253 585 358
Tm: 962 796 781
Email: eurovilde.flaj@mail.telepac.pt

Horário de Atendimento

Terça Feira e Quinta Feira das 18H30 às 20H00

Revinhade


Área
332,57 ha - Fonte: CAOP
População 811 habitantes - 405 Homens e 406 Mulheres
Densidade2,44 hab/ha - Fonte: INE 2001

História
Revinhade, divergente de "Rabiade", foi largamente disputada pelos vários descendentes de Rapinato Teles por causa da riqueza das suas terras(...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.94-95)
Ergue-se no planalto de Barrosas, entre Idães, Sousa, Regilde e Riba-Vizela. O seu topónimo é divergente de Rabiade. Foi largamente disputada pela riqueza das suas terras. Nasce como freguesia pela luta intensa dos naturais em manterem os seus domínios independentes. A terra de Revinhade está situada na proximidade da margem de uma pequena ribeira que desagua no rio Vizela, junto das Caldas de Vizela onde se ergue no planalto de Barrosas.

Locais de Interesse
Igreja Matriz

Tradições
Festas e Romarias
Festa de St.ª Maria (7-8 Setembro)

Nº eleitores 596

Presidente Paulo Eduardo Macedo Pereira (Partido Socialista-PS)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Revinhade
Rua de Santa Maria
4650-368 Revinhade

Telef./Fax: 253 581 071
Tm: 962 846 941
Email: juntadefreguesiaderevinhade@outlook.pt

Horário de Atendimento
segunda a sexta-feira das 9H30 às 12H30
segunda e quarta-feiras das 19H30 às 20H30
sábado das 10H30 às 12H00

Sendim


Área
703 ha - Fonte: CAOP
População  1.627 habitantes - 781 Homens e 846 Mulheres
Densidade 2,52 hab/ha

História
No lugar do Crasto, viveram povos pré-historicos romanizados e depois subjugados por aguerridos invasores, dos quais deve descender SENDIN, que deu o nome à freguesia.
A Freguesia de Sendim surge, a quem segue de Felgueiras para Fafe, pouco depois de contornar o Monte de Santa Quitéria, encontrando à sua esquerda, no lugar da Estradinha, o principal acesso à freguesia. De cariz predominantemente agrícola, situa-se num largo vale encaixado entre os montes de Santa Quitéria - S. Domingos, a poente, e os contrafortes da serra de Sabagudo a nascente, onde corre o rio Bugio até Jugueiros, desaguando aí no rio Vizela.
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.100-102)
Nesta freguesia viveram povos pré-históricos romanizados e depois subjugados por aguerridos invasores, dos quais deve descender Sendino, que lhe deu o nome. Em 1112 a designação já figurava como nome da região. Situada num extenso vale é dominada a Sul pelo Monte de Santa Quitéria, e a Nordeste pelo Monte de São Sabagudo. A Igreja Matriz foi mandada construir no século XVI pela Universidade de Coimbra. De nota é a Casa da Cabeça de Porca, casa do séc. XVIII, com o seu chafariz colocado no átrio da Casa e uma Capela, assim como o Solar de Sergude, solar pouco vulgar, característico de finais da Idade Média e inícios da Renascença, que conserva ainda restos do gótico primário dos sécs. XIII e XIV.
Património arqueológico – Villa Romana de Sendim – Em 1992, na abertura dos alicerces para a construção de uma moradia, apareceram em Sendim, no concelho de Felgueiras, restos de muros e abundantes vestígios de cerâmicas de tipologia romana. A escavação arqueológica de emergência, aí realizada de imediato, veio revelar a existência de pisos pavimentados com mosaicos de tipo geométrico, colocando a hipótese de se tratar de uma Villa Romana. A Villa Romana, cuja escavação ainda não está terminada, revela uma planta estruturada em torno de um espaço central a céu aberto (peristilo) ladeado por dois corredores com cerca de 20 metros de comprimento. Frente a este espaço abrir-se-ia originalmente o “triclinium”, pavimentado a mosaicos geométricos policromos e que constituía a divisão solene da casa, onde se tomariam as refeições e onde o "dominus" recebia os seus convidados. Para os corredores abriam os cubicula (quartos) onde dormiam os residentes. Vários destes compartimentos eram também pavimentados em mosaico. Para além disso, a casa dispunha ainda de umas "termas", onde se desenvolviam os rituais do banho e massagem que os romanos tanto apreciavam e de que ainda subsiste o hipocausto de uma grande piscina. Esta grande casa agrícola terá sido começada a construir na 2ª metade do séc.I d.C., tendo sido reformulada no séc.III e ocupada até à 1ª metade do séc.V, já em época Cristã, como nos comprova um tijolo onde aparece gravado o signo de Salomão. A continuação das escavações arqueológicas e a recuperação da Villa Romana de Sendim permitirá a toda a zona norte dispor de uma estação arqueológica de grande importância, quer a nível didáctico, quer a nível do turismo cultural.

Locais de Interesse
Casa de Sergude
Casa da Cabeça da Porca
Igreja Paroquial
Villa Romana de Sendim

Tradições
Festas e Romarias
Festa de St.Tiago (23 e 24 de Julho)

Nº de eleitores 1.519

Presidente  José Martins de Melo (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Junta de Freguesia de Sendim
Rua da Escola, n.º 267
4610-756 Sendim FLG

Telf.: 255 312 223
Tm.: 962 583 272
E-mail: freguesia.sendim@sapo.pt

Horário de Atendimento
terças e quintas-feiras das 19h00 às 22H00
sábado das 10H00 às 13H00

União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos

Macieira da Lixa

Área
537,76 ha
Fonte: CAOP

População
1.961 habitantes - 955 Homens e 1006 Mulheres
Fonte: INE 2001

Densidade
3,84 hab/ha

História
A "Villa Mazanaria", como então se chamava, aparece pela primeira vez em 1059, no inventário de Mumadona, em que diz que fora pertença de D. Senhorinha. Mais tarde, num documento de doação por Gonçalo Moniz ao Mosteiro de Caramos, o qual cede a Mendo Pires e a Pelagio de Fromarigues, priores daquele mosteiro, a real jurisdição que ele tinha sobre a igreja desta freguesia (...)
(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 72-73)
A primeira referência histórica desta localidade aparece num documento datado de 1059, chamando-se, então, Villa Mazanaria. Mas, as suas origens são certamente mais remotas, encontrando-se em alguns lugares da freguesia indícios pré-históricos e da presença romana. Do seu património podemos apreciar o Seixoso, edifício de grande envergadura, rodeado por enormes pinheirais e velhíssimos eucaliptos, construído no século passado para sanatório. Macieira é um pequeno povoado. Pequeno, mas de certo muito antigo e escolhido desde tempos iniciais do povoamento na região para fixação dos primeiros núcleos humanos. Tem uma área de 5,3 Km2 para uma população residente de 2065 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Cruzeiro
Capela S. Roque
Casa do Seixoso

Tradições
Festas e Romarias
Festa de S. Roque (16 de Julho)
 

Caramos

Área
325,67 ha
Fonte: CAOP

População
1.854 habitantes - 893 Homens e 961 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade
6,06 hab/ha

História
Segundo Frei Nicolau de Santa Maria, Caramos foi sede de um vetusto mosteiro da regra dos Crúzios, fundado em 1090 por D. Gonçalo Mendes, vindo a ser sagrado em 1141 pelo arcebispo de Braga, D. João Peculiar, e, em 1247, privilegiado com a mercê de Couto, concedida por D. Afonso III.
A Freguesia de Caramos tem origem nesta histórica comunidade religiosa que herdou parte do património do cenóbio de Airães (...)
(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.61,62,63)
Os primórdios da localidade estão ligados à edificação, em 1059, de "um vestuto mosteiro da regra dos crúzios". Assim, Caramos confunde a sua história com a desta comunidade religiosa. Até 1822, o Mosteiro formou clérigos para várias localidades da região. O seu padroeiro é São Martinho em honra do qual foi construída uma bonita igreja tendo, também, como atrativo o Cruzeiro do Adro datado de 1688. Vale a pena percorrer um pequeno espaço que leva a um belíssimo Calvário, de que restam quatro cruzes do século XVIII. Caramos tem uma área de 3,3 Km2 e uma população residente de 1974 habitantes.

Património Arqueológico
Património arqueológico – Via Romana Mouta-Espiúca – Ligando o lugar da Mouta à Espiúca conservam-se ainda dois pequenos troços de estrada lajeada, um na continuação do outro, no meio de campo e pinhal, já perto de Cerdeira das Ervas. Trata-se da continuação do troço da Via Romana que passa do lugar do Ameal, atravessa os campos agrícolas do monte da Cividade e do castro de S. Simão, segue à estrada, e daqui, vai ao Ladário (Lixa), seguindo para Amarante. É visível o lajeado apenas nas diferenças de cota, mas em certos pontos do caminho nota-se que este se encontra por baixo da terra que o cobre e da densa vegetação que prolifera nas suas juntas. Calçada Medieval Piedade – Mosteiro de Caramos - Troço com cerca de 170 metros de calçada lajeada que, em época Medieval dava ligação da antiga estrada Romana ao Mosteiro de S. Martinho de Caramos. Com cerca de 4 metros de largura média, o seu empedrado vence a diferença de cotas, não permitindo o escorrimento de terras e consequentes lamaçais de inverno. Junto ao cruzamento, no "Barroco" um cruzeiro Setecentista assinala a proximidade do Mosteiro. Situada num local privilegiado pela natureza, o "seu" vale goza durante a maior parte do ano de um clima ameno e aprazível, proporcionando aos seus habitantes ou forasteiros uma óptima opção de visita. Destaca-se ainda em Caramos a famosa Capela do Encontro e as quatro cruzes do séc. XVIII, como referência patrimonial.

Locais de Interesse
Igreja Matriz de Caramos
Capela do Encontro


União das Freguesias de Macieira da Lixa e Caramos

Nº de eleitores3815

Nº de eleitores 3500

Presidente:  Marco César Teixeira da Silva (Partido Socialista-PS)

Morada e Contactos
União das Freguesias de Macieira Lixa e Caramos
Rua das Pereiras, n.º 79
4615 - 409 Macieira da Lixa

Telf./Fax.: 255 496 625
Fax: 253 095 138
Email: geral@macieiradalixa-caramos.pt

Horário da Secretaria
Macieira da Lixa
segunda-feira das 15H00 às 20H00
quarta-feira das 10H00 às 13H00 e 15h00 às 20h00
quinta-feira das 10H00 às 13H00 e 15h00 às 20h00

Caramos
terça-feira das 10h00 às 13h00 -  15h00 às 20h00
sexta-feira das 10h00 às 13h00 -  15h00 às 20h00 

Atendimento do Executivo
segunda-feira das 17H30 às 20H00
quarta-feira das 17H30 às 20H00 
quinta-feira das 17H30 às 20H00 

União das Freguesias de Margaride (Stª Eulália), Várzea, Lagares, Varziela e Moure

MARGARIDE (Stª Eulália)

Área
585,86 ha
Fonte: CAOP

População
9.653 habitantes - 4633 Homens e 5020 Mulheres
Fonte: INE 2001

Densidade
16,13 hab/ha

História
Em 1059 é identificada como Vila de Margaride ou Vila Margariti. Em 1112 por S. Félix do Monte e em 1258 por S. Félix de Margaride, em 1290 por Santa Eulália de Margaride. Em 1343 identifica-se novamente por S. Félix de Margaride, nome que ficou até ao século XVI (...)
(Fernandes,M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 74-77)
A freguesia é hoje em dia essencialmente urbana, confundindo-se com os limites da sede concelhia. Os seus primórdios históricos remetem-nos para um período anterior à Nacionalidade, quando, em 1059, era denominada Villa Margariti. A atual designação data do século XVI e o nome de Margaride terá alegadamente sido atribuído em honra de um colono cristão. Falar em Margaride em termos de história, obriga a falar do Monte de Santa Quitéria, Monte-Jardim-Varanda multifacetado de Felgueiras. Saliente-se a existência de dois originais retábulos colaterais à Capela de Santa Quitéria, um dedicado à imagem da Santa e outro aos irmãos da Confraria. Ao seu redor existe um vasto jardim com a estátua da Virgem ao centro e várias capelas na encosta do Monte. Faz também parte do património cultural desta freguesia, a antiquíssima Capela de Santa Maria de Padroso, de construção simples e estilo românico, e como referência gastronómica o célebre pão-de-ló de Margaride. Margaride é a sede do concelho de Felgueiras, elevada à categoria de cidade em 13 de Julho de 1990. Com uma área de 5,8 Km2, Margaride conta com uma população residente de 9541 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Capela N. S. do Padroso
Teatro Fonseca Moreira
Alameda Santa Quitéria
Fábrica do Pão de Ló de Margaride

Tradições
Gastronomia
Cozido à portuguesa,bacalhau, arroz pica no chão, cabrito assado
Festas e Romarias
Festas de Maio (1º fim de semana)
Festas de S. Pedro (29 de Junho)


Varzéa

Área
281,42 ha
Fonte: CAOP

População
2.859 habitantes - 1380 Homens e 1479 Mulheres
Fonte: INE 2001

Densidade
8,57 hab/ha

História
O nome de Várzea, do pré-romano VARCENA, que significa "campina cultivada". Aparece pela primeira vez em 1059, já como freguesia, mas apenas citada pelo nome do seu orago, S. Jorge. Contudo, em 1144 é o seu topónimo Varcena que sobressai (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.116-117)
Do pré-romano Varcena, que significa «campina cultivada», por ser terra de chã e de rico húmus, nasceu o topónimo desta localidade. A sua origem é remota. Recorrendo a documentos antigos, tem-se que em 1059 surge como freguesia, contudo apenas citada pelo nome do seu Orago, São Jorge.
O padroeiro é São Jorge, apesar de vir referido nas Inquirições de 1282, como padroeiro São Paio. Realiza-se nesta freguesia uma importante feira a 23 de Abril, tendo uma parte religiosa e a sua inerente parte comercial. As indústrias do calçado e seus componentes permitem que a freguesia empregue uma grande parte da mão-de-obra que aqui vive.
Lugares como "Vinha", "Souto", "Monte", "Moínho" ou "Gandra" sugerem-nos um espaço rural e campesino, assim como o próprio nome de "Várzea", originado pelo topónimo pré-romano "Varcena", significando "campina cultivada", mercê da fertilidade das suas terras e riqueza do seu subsolo.
É uma freguesia com 2,8Km2 e uma população residente de 2412 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Capela de Grandim

Tradições
Gastronomia Cozido à Portuguesa
Festas e Romarias: Feira dos 23 (23 de Abril)

Lagares

Área
284,5 ha
Fonte: CAOP

População
2.320 habitantes - 1133 Homens e 1187 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade
8,88 hab/ha

História
Reza a história que a antiga freguesia de S. Veríssimo de Lagares era reitoria da apresentação do Conde de Pombeiro e Comenda da Ordem de Cristo. Pertence à Comarca de Felgueiras desde 1878.
O Topónimo LAGARES (= a cavidade em jeito de túmulos) vem confirmar a existência, no lugar de Montezelo, de uma antiga cidadela, reconhecida por Contador Argote e por Martins Sarmento (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 68-69)
As origens de Lagares remontam até à antiguidade romana, quando um povoado pré-histórico sofreu as influências da romanização. Foi nesta localidade que, em 999, se reuniu a primeira Assembleia Municipal (Concilium) conhecida na área, a propósito de uma questão de direitos de terras. Pode-se admirar a arte barroca da sua Igreja Matriz e a Casa de Oleiros, hoje transformada em Seminário, e rara estética das suas casas nobres. Tem uma área de 2,8 Km2 e uma população residente de 2526 habitantes. Dizem-nos vários estudos, que a antiga freguesia de S. Veríssimo de Lagares era reitoria da apresentação do Conde de Pombeiro e Comenda da Ordem de Cristo no antigo Concelho de Felgueiras.

Locais de Interesse
Igreja Matriz de Lagares
Casa de Oleiros

Tradições
Festas e Romarias
Festa de Santa Lúzia (13 de Dezembro ou Domingo seguinte)


Varziela

Área
285,37 ha
Fonte: CAOP

População
1.837 habitantes - 879 Homens e 958 Mulheres 
Fonte:INE 2001

Densidade
6,96 hab/ha

História
A Freguesia de Varziela data do séc. XI. Esta existência, é confirmada por documento de 1059, que serve para justificar, as relações iniciais da Casa de Guimarães com esta freguesia e com Caramos (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.117-119)
Varziela situa-se a Sudoeste de Margaride, constituindo o prolongamento natural da Cidade de Felgueiras, em cujo perímetro uma parte da freguesia está já incluída. O primeiro documento que se refere a esta localidade data de 1052. O nome da freguesia é um diminuitivo de Várzea. Da sua história chega-nos o facto do achado e descoberta do Santuário Nossa Senhora do Amparo ou de Pedra Maria no pequeno outeiro pelos anos Quatrocentos. Dignas de visita são a Igreja de Pedra Maria, a Casa da Seara, a Igreja de Varziela, a Casa de Rabelo e a Casa do Coto. Da sua história chega-nos o curioso facto do achado e descoberta do Santuário de Nossa Senhora do Amparo ou de Pedra Maria no pequeno outeiro pelos anos de Quatrocentos. Possui uma área de 2,8 Km2 e tem uma população residente de 1985 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz de Pedra Maria
Igreja Matriz
Capela de Grandim

Tradições
Gastronomia: Cozido à Portuguesa
Festas e Romarias
Nossa Senhora Pedra Maria (2º Domingo de Agosto)
São Miguel (último Domingo de Setembro)


Moure

Área
306,95 ha
Fonte: CAOP

População
1.321 habitantes - 673 Homens e 648 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade
3,83 hab/ha

História
A partir de 1258 D. Afonso III aforou aos homens bons da terra o seu grande reguengo de Moure, com o compromisso de reunirem, neste local, para decidirem os assuntos administrativos e de justiça local (...)
(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 78-80)
Localidade com referência de 959, Moure recebeu atenções da Coroa, quando, em 1258, D. Afonso III "aforou aos homens bons da terra o seu grande reguengo de Moure, os quais se comprometeram a servir de homem de falas e a reunir-se para decidir certos assuntos administrativos e de justiça local". De interesse é a Casa de Simães, com um bonito portal com brasão e três estátuas. As suas linhas são elegantes e de boa traça arquitectónica provavelmente do século XVIII. Moure está encostada a Margaride, com uma parte integrada na Cidade. Por esta freguesia passa o rio Sousa, vindo da sua nascente na vizinha freguesia de Friande. Tem uma área de 3,0 Km2 e uma população residente de 1177 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Casa de Simães
Cruzeiro

Tradições
Festas e Romarias
Festa a S. Salvador (1º ou 2º Domingo de Agosto)


União das Freguesias de Margaride (Stª Eulália), Várzea, Lagares, Varziela e Moure


Nº de eleitores 17990

Presidente José Luís Marinho Martins (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
Rua Leonor Rosa da Silva nº 30
Margaride
4610-195 Felgueiras

Telf.: 255 310620
Tm.: 963 392235
Fax: 255 310625
Email: uniaofreguesiasfelgueiras@gmail.com

Horário de Atendimento
Sede Margaride
De Segunda a Sexta-feira: 9h00 - 16h30 (sem interrupção para almoço)
Pólo Várzea
segunda, terça e sexta-feira: 8h00 - 12h45 e 13h45 - 17h00; Quarta-feira: 8h00 - 12h45 e 13h45 - 16h45; Quinta-feira: 8h00 - 12h45 e 13h45 - 17h15
Pólo Lagares
segunda e quinta-feira: 21h00 - 22h00
Pólo Varziela
segunda, quarta e sexta-feira: 20h30 - 21h30
Pólo Moure
segunda e quinta-feira: 11h00 - 12h00; Terça-feira: 21h00 - 22h30 e Sábado: 11h00 - 12h30.

União das Freguesias de Pedreira, Rande e Sernande

Pedreira

Área 
356,85 ha
Fonte: CAOP

População
1.564 habitantes - 762 Homens e 802 Mulheres
Fonte: INE 2001

Densidade 
4,83 hab/ha

História
As referências históricas à freguesia da Pedreira surgem a partir 1142. De 1142 a 1208 e segundo as Inquirições de D. Afonso III, a Ordem dos Templários tinha nesta freguesia, doze casais que eram honrados por causa da quinta de Ermígio Mendes (Teixeira), tendo sido mordomos da terra os descendentes de D. Rodrigo Forjaz e de D. Martim Gil de Arões (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 80-82)
A freguesia, situada num morro sobranceiro à margem esquerda do Sousa, aparece referenciada, em termos históricos, num documento do cartório de Santo Tirso, datado de 10 de Maio de 1142. Mas, crê-se que o povoamento seja anterior ao tempo da Fundação da Nacionalidade, pois aí se notam vestígios arqueológicos de tempos bem anteriores. A Paróquia da Pedreira tem como Padroeira Santa Marinha, (venerada a 18 de Julho), e uma bonita Igreja Paroquial. Nas suas proximidades, uma pequena capela designada de "Senhor do Horto". Santa Marinha (há quem diga Santa Maria) tem também o seu nome num dos montes que rodeiam a freguesia. Tem uma área de 3,5 Km2 e uma população residente de 1725 habitantes.
A freguesia de Pedreira, pelo nome que conserva derivado da abundante pedraria que se extraía e também pela localização em sítio alto, de boa visibilidade e fácil defesa, foi certamente mais um Castro deste Concelho de Felgueiras.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Cruzeiro
Alminhas de Vinhas
Casa de Serges
Casa das Portas

Tradições
Gastronomia Cozido à Portuguesa
Festas e Romarias
Festa de Santa Marinha - 18 de Julho

Rande

Área
206,2 ha
Fonte: CAOP

População
982 habitantes - 446 Homens e 536 Mulheres 

Densidade
4,67 hab/ha
Fonte: INE 2001

História
Rande surge como freguesia a partir de 1258. A sua origem como topónimo e como freguesia identifica-se com uma unidade agricola, fundada por um presor de nome RANDO aqui estabelecido no período da Reconquista.
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 88-90)
Aparece referenciada como freguesia em 1258. Contudo, já em 1059 surge como topónimo «Rande» para localizar Varziela. Segundo rezam certos estudos, Rande dependia de Unhão. Em 1839, o concelho de Unhão é extinto e a freguesia passa a fazer parte de Barrosas. Depois de 1852, Rande passa definitivamente para Felgueiras. Esta paróquia de São Tiago de Rande aparece documentada no séc. XII e XIII. Merece particular interesse a Casa da Torre, magnífica casa do séc. XVIII com capela e brasão de família, a Casa de Rande de Baixo de origem antiga (século XVII), com capela dedicada a Santo António, e a Casa do Outeiro. Possui uma área de 2, 0 Km2 e uma população residente de 962 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Brasão da Casa de Rande de Baixo

Tradições
Festas e Romarias
Festa de S. Tiago (23 e 24 de Julho)

Sernande

Área
135,13 ha
Fonte: CAOP

População
941 habitantes - 461 Homens e 480 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade
6,59 hab/ha

História
O topónimo sugere que teria sido fundada por Sisnando (derivado de Sesinando e de Sernando), que, no genitivo, resulta em Sernandi ou Sernande. Sernande, surge como freguesia, em 5 de Dezembro de 1286, numa inquirição particular ordenada por D. Dinis aos coutos, honras e igrejas que foram do conde D. Gonçalo Garcia de Sousa e sua mulher, Leonor Afonso (irmã daquele rei). Administrativamente, Sernande acompanhou a honra de Unhão, passando para a posse do conde D. Afonso Sanches, filho de D. Dinis, por doação que lhe fez, em 1312; depois, para a de Álvaro Pires de Castro, irmão de Inês de Castro, por doação em 1366; e por fim, para a família Teles da Silva, por doação em 1367, em cuja posse se manteve até à extinção do morgadios (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.103-105)
Em 897, numa doação de D. Afonso III (de Leão) a Luga, regista-se uma «Villa de Sisnandi». Tal como outras freguesias, Sernande teve origem na presúria da Reconquista. Contudo, só em 1286 aparece referenciada como freguesia. Em 1527 era uma das localidades mais povoadas do então concelho de Unhão. Das lendas que circulam na freguesia, avulta as pegadas de São Gonçalo no penedo do mesmo nome. Diz o povo que pertencem aquele Santo, que outrora por aqui passou à procura de morada eterna, e aí rumou a Amarante. Como pontos de interesse destaca-se as casas senhoriais (Casa do Aguilhão, Casa da Capela e Casa de Cimo de Vila), a Capela do Senhor da Piedade e o Penedo de São Gonçalo. Acompanhada pela ribeira da Longra vê a sua população dedicar-se, progressivamente, ao trabalho industrial. O topónimo sugere que foi fundada e repovoada por um tal Sisnando, divergente de Sesinando e de Sernando, que no genitivo dá Sernandi e Sernande e que devia ser irmão ou parente (ao menos em nome) de Rando, que deu Rande. Sernande tem uma área de 1,3 Km2 e uma população residente de 891 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Casa da Serra Seca
Capela do Senhor da Piedade
Casa da Capela
Pórtico da Casa do Aguilhão

Tradições
Gastronomia: Cozido à portuguesa, cabrito assado, língua de vitela estufada com ervilhas
Festas e Romarias: Festa de São João realiza-se no dia 24 de Junho, com missa e procissão, mostrando artes tradicionais, cortejo de prendas, música e ranchos

 

União das Freguesias de Pedreira, Rande e Sernande

Nº de eleitores 3487

Presidente  Nuno Gilberto Coelho Macedo (Partido Socialista-PS)

Morada e Contactos
União das Freguesias de Pedreira, Rande e Sernande
Rua da Igreja,143
4650-268 Pedreira-FLG

Telf.: 255 341913
Tlm: 91 4188402
Email.:freguesiapedreirarandesernande@sapo.pt

Horário de Atendimento
Sede Pedreira
Terça-feira: 9h00 - 12h00 e 14h00 - 19h00; Quinta-feira: 9h00 - 12h00 e 14h00 - 19h00. Atendimento do Executivo: Sábado: 18h30 - 20h00
Pólo Rande
Quarta-feira: 14h00 - 19h00; Sexta-feira: 9h00 - 12h00 e 14h00 - 19h00. Atendimento do Executivo: Segunda-feira: 20h00 - 21h00
Pólo Sernande
Segunda-feira: 9h00 - 12h00 e 14h00 - 19h00; Quarta-feira: 9h00 - 12h00. Atendimento do Executivo:Quarta-feira: 20h00 - 21h00

União das Freguesias de Torrados e Sousa

Torrados

Área
339,09 ha
Fonte: CAOP

População
2.370 habitantes - 1185 Homens e 1185 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade
7,55 hab/ha

História
Esta freguesia nasceu do desmembramento do padroado Sousão, cujo topónimo apela para a ideia de ressequir pelo calor ou pelo fogo. A Comenda de Torrados, da Ordem de Cristo foi criada em 1517, por D. Manuel I(...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.108-110)
A freguesia nasceu do desmembramento do padroado Sousão. Não se sabe ao certo a data em que surge pela primeira vez documentada. Crê-se que por volta de 1122, no testamento de Mem Moniz, Governador de Penafiel de Sousa. O seu topónimo apela para a ideia de Torrar, ressequir pelo calor ou pelo fogo. A Igreja Paroquial de Torrados é datada do século XVII. A Casa de Torrados, tem um bonito e imponente portal do século XVIII, que ostenta um brasão com estátua de guerreiro, mas actualmente em ruínas. É na indústria calçado que se emprega o maior número de pessoas, quer da freguesia, quer das freguesias adjacentes e mesmo de concelhos vizinhos. Tem uma área de 3,3 Km2 e uma população residente de 2560 habitantes. O seu topónimo remete-nos para a ideia de "torrar" ou "ressequir pelo calor", significado semelhante aos topónimos de "Queimada" e "Torgosa". Esta designação deve-se ao facto de ser usual naquela época a desbravação da vegetação robusta e bravia pelo processo do fogo, desbravação esta feita com fins agrícolas e não destrutivos.

Locais de Interesse
Igreja Matriz

Tradições
Festas e Romarias: Festa de S. Pedro (29 de Junho) 

 

Sousa

Área
181,59 ha
Fonte: CAOP

População
1.095 habitantes - 532 Homens e 563 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade
5,95 hab/ha

História
Reza a história que o repovoamento desta freguesia deve-se aos Sousões e que o topónimo Sousa está ligado aos domínios da antiga Terra de Sousa, vinculados a Pombeiro (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.105-107)
Segundo narração de M. Antonino Fernandes, no seu livro «Felgueiras de Ontem e de Hoje», esta freguesia nasceu do emparcelamento do padroado dos antigos Sousas por cada um dos seus filhos e o designativo de Sousa ficou a atestar os seus domínios. O ex-libris local é a Igreja Românica, com vários pormenores de beleza histórica. A Igreja Paroquial de Sousa é um belo exemplar do românico rural do Vale do Sousa. A ser ressaltada a frontaria e o pórtico. No interior da Igreja, deve ser referido um retábulo barroco bem conservado, com uma estátua renascentista, representando o Padroeiro São Vicente, e outros dois retábulos, renascentistas, decorados com cenas da vida de Cristo. Situada a Nascente de Barrosas, Sousa (com uma área de 1,8 Km2 e uma população residente de 1080 habitantes) é uma das freguesias com forte implantação da indústria do calçado.

Locais de Interesse
Igreja Românica

Tradições
Gastronomia: Cozido à Portuguesa e cabrito Assado
Festas e Romarias: Festa de S. Vicente (9 de Março)


União das Freguesias de Torrados e Sousa

Nº de eleitores 3465

Presidente  Fernando Miguel da Costa Aires Faria (Partido Socialista– PS)

Morada e Contactos
União das Freguesias de Torrados e Sousa
Rua Poder Local
4650-591Torrados

Telf.: 255 331518
Tlm: 963 418691
E-mal: ftorradossousa@gmail.com

Horário de Atendimento
Sede Torrados
Segunda e Quinta-feira das 20H30 às 22H00
Pólo Sousa
Segunda e Quarta-feira das 20h30 às 22h00

Terça-feira Torrados/Sousa(Alternado em oito em oito dias) das 15H30 às 18H00(Qualquer esclarecimento contactar o Sr.Presidente da Junta)

União das Freguesias de Unhão e Lordelo

Unhão

Área
344,4 ha
Fonte: CAOP

População
800 habitantes - 395 Homens e 405 Mulheres 
Fonte:INE 2001

Densidade
2,51 hab/ha

História
Historicamente, esta freguesia surge em Maio de 1122, confirmado por documento de permuta de heranças e padroados efectuada entre D. Mendo Veigas de Sousa e seu irmão Gomes Viegas e primos Paio Nunes e Gomes Nunes, esclarecendo-se nele que D. Mendo os recebera por outros para os deixar ao Mosteiro de Pombeiro, sob a administração de seus filhos e netos(...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.111-115)
Terra de Honra, Concelho (carta de foral atribuída em 1515), Comenda e Condado. Unhão tem assim uma história de prestígio. O seu nome aparece documentado em 938 e 1059, sob a forma latina de unione, a designar um monte e uma «villa». Historicamente, a localidade surge em Maio de 1122, juntamente com o casal de Junfe. Realça-se nesta freguesia a Igreja Românica do Unhão, sendo um bom exemplar do seu estilo, assim como digno de visita, o seu Altar-Mor. Nesta freguesia destaca-se também a Casa da Seara, a Quinta da Casa Nova e a Capela de Grandim, que teria sido a igreja primitiva de Samarim. O seu padroeiro é São Salvador e é homenageado a 6 de Agosto. É uma freguesia antiquíssima, foi Concelho na antiga Comarca de Guimarães. Em 1840 pertencia ao Concelho de Barrosas e em 1853 passou para o de Lousada para dois anos após, voltar a Felgueiras. Esta freguesia tem uma área de 3,4 Km2 e uma população residente de 866 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Românica
Capela de Grandim

Tradições
Gastronomia: Cozido à Portuguesa e cabrito Assado
Festas e Romarias: Festa do S. Salvador (6 e 7 de Agosto)

 

Lordelo

Área
151,19 ha
Fonte: CAOP

População
357 habitantes - 171 Homens e 186 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade
2,35 hab/ha

História
Segundo as Inquirições de D. Dinis de 1287 a freguesia de Lordelo foi anexada para efeitos administrativos à freguesia de Unhão. Só a partir de 1878 é que fez parte da comarca de Felgueiras (...)
(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p. 70)
Origem toponímica de Lordelo provém do baixo latim Lauritellum, que significa pequeno bosque de loureiros, sendo uma das freguesias mais pequenas do concelho, em área (1,5 Km2) e população (356 habitantes). Em 1604 foi fundada a capela do Espírito Santo, actual Igreja Paroquial, onde é possível ver um retábulo barroco de real valia e graciosidade que envolve toda a abóbada do tecto até às paredes laterais. É ainda possível encontrar o pequeno templo barroco da capela de Lordelo. O seu padroeiro é São Cristóvão, apesar de anualmente ser feita uma Romaria à Nossa Senhora da Saúde, que se realiza na segunda-feira de Páscoa. A Festa de São Cristóvão tem o seu dia no penúltimo Domingo de Julho. Situada no extremo Su-sueste do Concelho e fazendo fronteira com Lousada, a freguesia tem o privilégio da perfeita combinação de um clima ameno, uma paisagem onde predomina o verde, constantemente refrescado pela pequena ribeira afluente do rio Sousa.

Locais de Interesse
Igreja Matriz de Lordelo
Cruzeiro

Tradições
Gastronomia Pratos à base de fumeiro; Rojões
Festas e Romarias:
Festa de Nª Srª da Saúde (Segunda feira de Páscoa)
Festa de S. Cristóvão-Padroeiro da freguesia-(penúltimo Domingo de Julho)


União das Freguesias de Unhão e Lordelo

Nº de eleitores 1157

PresidenteMário Ribeiro da Costa (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
União das Freguesias do Unhão e Lordelo
Rua Padre Arnaldo Babo
4650-662 UNHÃO

Telf./Fax: 255 341703
Tm: 914 008526
E-mail:freguesiaunhaolordelo@gmail.com

 

Horário de Atendimento
Sede: Unhão: 4º Feiras- das 15H00 às 19H00 E 5º Feiras- das 21H00 às 22H00


Pólo: Lordelo: 3ª Feira- das 18H00 às 19H00 

União das Freguesias de Vila Cova da Lixa e Borba de Godim

Vila Cova da Lixa

Área
571,91 ha
Fonte: CAOP

População
3850 habitantes - 1810 Homens e 2040 Mulheres 
Fonte:INE 2001

Densidade
5,51 hab/ha

História
Só depois de sagrada em 1238, é que começou a definir-se como "igreja própria" e como importante Abadia de Clérigos, dotada de jurisdição canónica sobre três freguesias (Aião, Figueiró e Tresouras) e sobre duas capelas (Franqueira e S. Gens)(...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.119-123)
Vila desde 18 de Abril de 1933, a Lixa já era nomeada em 1509 e em 1220, passando à categoria de cidade em 21 de Junho de 1995. Na toponímia local, resta para memória o lugar do Santo do Mosteiro, próximo do local onde está a actual Igreja Paroquial, construção do século XVIII (1713). Referência merecem também as Capelas de São Roque fundada em 1599 ainda em estado razoável, e a Capela de Nossa Senhora das Angústias, fundada em 1656, na Quinta de Teixeira. Recordem-se ainda os nomes de quem fez história por terras de Vila Cova da Lixa: Zé do Telhado, Dr. Leonardo de Coimbra, Sebastião Babo, o "Rifa" de Borba de Godim ou Manuel Teixeira da Silva.
Em Vila Cova da Lixa, que possui uma área de 5,7 Km2 e uma população residente de 3150 habitantes, parece adivinhar-se um exemplo concreto da influência romana. Atraídos para as terras baixas (Cova) e integrados em novos cultivos e noções de propriedade, os habitantes do Castro, cedo viram surgir a Villa do Dominus com o seu Paço e a repartição de terras tão ao gosto romano.
Tem uma importante feira semanal à terça-feira, e feiras anuais (Feira das Uvas e Feira das Oitavas) respectivamente na 1ª segunda-feira de Setembro e segunda-feira de Páscoa. Realiza-se ainda no 1º domingo de Setembro uma importante romaria, a Nossa Senhora das Vitórias.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Cruzeiro

Tradições
Gastronomia: Cozido à Portuguesa
Festas e Romarias
Feira das Oitavas (2º Domingo de Páscoa)
Festa de S. Salvador (1º Domingo de Setembro
Festa De Nª Srª das Vitórias (1º Domingo de Setembro)


Borba de Godim

Área 
774,60 ha
Fonte: CAOP

População
2 341 habitantes - 1097 Homens e 1244 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade 
3,02 hab/ha

História
A primeira referência documental da freguesia data de 1136, numa sentença julgada por D. Afonso Henriques a favor dos descendentes de D. Analso Guiçóis, fundador da Igreja local no século X.
Borba de Godim pertenceu ao concelho de Celorico de Basto antes de ser integrada em Felgueiras. No século XV, a paróquia foi anexada à de Agilde. Os seus bens passaram para a posse da Ordem de Cristo.
Em 1794, D. Francisco Moura Coutinho, ao tempo Fidalgo da Casa Real, mandou edificar uma capela em substituição de um pequeno oratório anterior. Alguns anos mais tarde aquele fidalgo encomendou em Roma, as relíquias ( corpo e vaso com sangue ), do mártir S. Bonifácio e outros santos retirados ao cemitério de Santa Ciríaca. Veio tudo acompanhado de certificado de autenticidade e origem, de resto logo confirmado por documentos papais e de indulgências, privilégios e insenções em relação à paroquia que vinham assinados pelo Papa Alexandre III.
Em 2 de Abril de 1834, no Monte das Vitórias, decorreu uma grande batalha entre liberais e absolutistas, comandados respectivamente pelo General Torres e pelo Brigadeiro José Cardoso (...)
(Fernandes, M. Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.56-60)
A história primordial de Borba de Godim está muito ligada à da sua igreja, que terá sido fundada no século X, por D. Analso Guiçóis ou Anulfo Visóis. Este importante património foi, inclusive, fruto de lutas pela sua posse, sendo, até alvo de decisões reais, como aconteceu no século XII por parte de D. Afonso Henriques, como está documentado. A Igreja Paroquial de Borba, tem o seu interesse arquitectónico pelo seu estilo românico. De realçar as capelas existentes, nomeadamente na Casa dos Coimbras, na Quinta do Paço, no Outeiro das Vitórias e Paço. No Monte das Vitórias decorreu a histórica batalha em 1834, entre Liberais e Miguelistas. Na área que limita a freguesia, é possível encontrar varias minas de estanho denominadas "Alto da Picarra", "Tapada da Bemposta" e ainda "Tapada do Lobo". Borba tem uma área de 7,9 Km2 e uma população residente de 2340 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz de Borba de Godim
Quinta do Paço de Borba

Tradições
Festa e Romarias: Festa de São Sebastião, em 20 de Janeiro; Festa de São Roque, em meados de Agosto; Festa do Corpo de Deus (dia móvel) e Festas de São João em 24 de Junho. Em Setembro a festa da Nossa Senhora das Vitórias. O seu padroeiro é São Miguel.


União das Freguesias de Vila Cova da Lixa e Borba de Godim


Nº de eleitores 6191

Presidente Agostinho Teixeira da Fonseca e Sousa (Coligação Manter A Esperança - PPD/PSD.PPM)

Morada e Contactos
União das Freguesias de Vila Cova da Lixa e Borba de Godim
Rua D. Manuel I, nº 208
4615-510 Vila Cova da Lixa

Telf./Fax: 255 494983
Tm: 96 2094801
Email: vilacovadalixa@sapo.pt

Horário de Atendimento
Sede Vila Cova da Lixa
Segunda a Sexta-feira: 9h00 - 12h00 e 14h00 - 19h00
Pólo Borba de Godim
Segunda a Sexta-feira:10h00 - 12h30 e 13h30 - 19h00

União das Freguesias de Vila Fria e Vizela (S. Jorge)

Vila Fria

Área
193,48 ha
Fonte: CAOP

População
629 habitantes - 310 Homens e 319 Mulheres 

Densidade
3,43 hab/ha
Fonte:INE 2001

História
Esta freguesia surge pela primeira vez num documento do Mosteiro de Vilarinho datado de 1123. O padroado desta freguesia pertenceu aos Priores de Guimarães(...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.123-125)
A freguesia é povoada desde tempos imemoriais, como o comprovam vários vestígios arqueológicos que aqui aparecem e que, actualmente se encontram no Museu Martins Sarmento em Guimarães. O primeiro documento referente a Vila Fria data de 1123. Nas Inquirições de D. Afonso III, em 1258, grande parte da freguesia já aparece adstrita ao Mosteiro de Pombeiro. Destaca-se nesta freguesia o Parque de Campismo Rural, local ideal para umas férias ou mesmo para ocupação dos seus tempos livres. Do seu passado histórico ficou-nos a nobre Casa das Portas com uma curiosa capela e bonitas esculturas, a antiquíssima Ponte Romana do Arco e a sua Igreja de tónica secular, restaurada em 1911.
Pela sua toponímia é possível afirmar que a população neste território é anterior à nacionalidade (actualmente com 664 habitantes e uma área de 1,9 Km2), existindo registos em que Vila Fria aparece como freguesia documentada em 1123.

Património Arqueológico
Património arqueológico – Via Romana Arco da Boavista - Troço de estrada lajeada de cronologia provavelmente Romana, dado como tal se poder classificar a Ponte do Arco que a faz atravessar o Rio Vizela. Na margem esquerda e a jusante da ponte, é constituída por lajes de granito, com uma largura de cerca de 3.5 metros e, em curvas suaves, vence a diferença de cota para o alto do Monte da Boavista.
Ponte do Arco – Ponte Romana sobre o rio Vizela, associada à vila de que aparece um troço lajeado na margem esquerda que, subindo o monte, seguia por Boavista, Sardoal, Burgo, Rua, Pombeiro, Picôto, daí a Padroso, Forca, e, atravessando Várzea, passava o Ameal, Estrada, Mouta, Espiúca, subindo a Lixa no sopé do Monte do Ladário e dirigindo-se ao vale do Tâmega, para Amarante. Conserva ainda incorporado nas suas guardas um arco de limitação do couto de Pombeiro, do séc. XVIII.

Locais de Interesse
Igreja Matriz
Casa das Portas
Azenha
Ponte Romana

Tradições
Festas e Romarias
Festa do Corpo de Deus (móvel)
Festa de Santa Maria a 15 de Agosto.


Vizela (S.Jorge)

Área
108,71 ha
Fonte: CAOP

População
574 habitantes - 284 Homens e 290 Mulheres 
Fonte:INE 2001

Densidade
5,48 hab/ha

História
Em 1258 era conhecida por S. Jorge de Cela e estava na posse da Ordem do Hospital. Habitada desde tempos pré-romanos, nesta freguesia existiu também um povoamento castrejo, no qual Martins Sarmento recolheu entre outros materiais a já célebre estátua do guerreiro galaico(...)
(Felgueiras - Tradição com Futuro, edição CMF)
São Jorge de Cela foi das primeiras designações desta localidade. Pelo menos é assim que surge nas Inquirições de D. Dinis. Toda a história da freguesia está relacionada com a sua vizinha de Santo Adrião. A sua origem e formação como freguesia prende-se com o «Mandamento de Riba-Vizela», ordenado no século X por D. Gonçalo Mendes, Conde Portucalense. Hoje o seu nome é S. Jorge de Riba-Vizela, apesar de por muitos ser conhecida de S. Jorge de Vizela. No interior da Igreja Paroquial é possível admirar uma bela pintura de São Jorge em madeira que está na sacristia e ainda um altar do século XVI com belas pinturas da vida de Cristo. O rio Vizela banha a extremidade da freguesia e a sua história está ligada à vizinha Santo Adrião de Riba-Vizela, pertencente ao Município de Vizela. Esta freguesia possui uma área de 1,1 Km2 e uma população residente de 596 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Matriz

Tradições
Festas e Romarias
Festa do Senhor-15 de Agosto


União das Freguesias de Vila Fria e Vizela (S. Jorge)

Nº de eleitores 1203

Presidente Jorge José Ferreira de Oliveira  (Partido Socialista-PS)


Morada e Contactos
União das Freguesias de Vila Fria e Vizela S. Jorge
Rua da Igreja S/N
4610-851 Vila Fria- FLG

Telef./Fax.: 255 925323
Tm: 96 4568056

Email: freg.vilafria.s.jorge@gmail.com

Horário de Atendimento
Sede: Vila Fria
Terça-feira: 20h30 - 22h00 e Sábado: 9h00 - 12h00
Pólo: Vizela (S.Jorge)
Segunda e Quinta-feira: 20h30 - 22h00


 

União das Freguesias de Vila Verde e Santão

Vila Verde

Área
124,74 ha
Fonte: CAOP

População
809 habitantes - 380 Homens e 429 Mulheres 
Fonte:INE 2001

Densidade
5,72 hab/ha

História
A sua história é muito simples. O nome de Vila Verde deve-se ao seu meio físico envolvente, sendo considerada unidade de exploração agrária, pois aqui Vila significa quinta ou quintã e verde significa muito fértil (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.125-128)
No início do século XIII a História registava São Mamede de Vila Verde como freguesia do padroado dos senhores de Sousa. Refira-se, que em 1258, se compunha de dez casais, entre colonos e caseiros do Mosteiro de Pombeiro. Na Igreja paroquial é possível admirar um presépio ao gosto típico dos barristas e escultores portugueses. No património arquitectónico da freguesia pode ser admirado em Casas como as da Quintã de Cima, Quinta de Baixo, Casa do Outeiro, Casa da Rua do Carregal (Boavista), Casa do Cimo da Vila, Casal, Fonte e a Igreja "velha" de Vila Verde (hoje em ruínas), de características românicas. Vila Verde tem uma área de 1,2 Km2 e uma população residente de 714 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Românica
Igreja Matriz

Tradições
Festas e Romarias
Festa de S. Mamede (17 de Agosto)


Santão

Área
188,97 ha
Fonte: CAOP

População
776 habitantes - 379 Homens e 397 Mulheres 
Fonte: INE 2001

Densidade
4,60 hab/ha

História
Santão pertenceu no século X a Mumadona, por doação dos seus parentes de Riba-Vizela, que a obtiveram de Mito e de Adosinda. A sua história está ligada ao padroado da Ordem de Malta, a que pertenceu até à sua extinção em 1834 (...)
(Fernandes, M.Antonino, Felgueiras de Ontem e de Hoje, p.98-100)
Descrição Histórica
A localidade de Santão surge referenciada em 875, o que prova a sua antiguidade. A sua história está ligada ao padroado da Ordem de Malta, ao qual pertenceu até à sua extinção, em 1834. O topónimo advém do facto de ter sido repovoada por um colono neogodo chamado Santon. A Igreja Paroquial de Santão é românica e de muito interesse arquitectónico. No seu exterior, merece destaque a torre sanearas que forma um arco sobre o adro, e duas cruzes, uma delas com a data de 1111. A porta principal tem uma só arquivolta, lisa, de curva apontada. Na Quinta do Recião, é possível admirar uma Carvalha antiquíssima e de grandes dimensões. Tem uma área de 1,8 Km2 e uma população residente de 870 habitantes.

Locais de Interesse
Igreja Românica
Cruzeiro

Tradições
Festas e Romarias
Festa da N.ª Senhora do Alívio (2 e 3 de Julho)

 

União das Freguesias de Vila Verde e Santão

Nº de eleitores 1585

Presidente Hélder Filipe Magalhães e Silva (Somos Independentes,SI)

Morada e Contactos
União das Freguesias de Vila Verde e Santão
Rua Padre Alexandre
4650-817 VILA VERDE FLG

Edifício Sede Vila Verde - Telefone: 255 488 492
Edifício Pólo Santão - Telefone: 255 491 701
E-mail: juntafreguesiavilaverde@gmail.com
Presidente Helder Silva: 917 442 427
Secretário José Paulo Silva: 962 024 292
Tesoureiro: Rui Duarte: 968 224 241
Funcionário: Emanuel Ribeiro: 918 857 386

Horário de Atendimento
Sede: Vila Verde
segunda, quarta, quinta e sexta-feira: 9h30-12h30 e 14h00-17h30
terça-feira: 9h30-12h30 e 14h00-17h30 e 19h00-20h00
Pólo: Santão
segunda, terça, quarta  e sexta-feira: 18h00 -19h00
quinta-feira: 18h00-20h00 



Boletim Municipal #9 2016
Cm Felgueiras 2017 - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por